• Fernanda

A era das habilidades intangíveis

Actualizado: 29 de abr de 2020


Sim, mesmo que muitas vezes nos projetamos no futuro, uma coisa é certa, será diferente do que antes.

Ainda é um mistério como será o novo panorama profissional, pessoal e social. 


Como em todas as crises, nesta não será diferente. Já é o momento de que uma vez por todas aceitemos que a mudança é algo natural e vantajoso. 

Tudo o que é estático, nos limita e nos empobrece como seres humanos.


Por que você acha que o pôr do sol é bonito? Porque ele é finito, há um começo e um fim. Muda e não é estático. Você imagina um pôr do sol infinito? Não daríamos valor a sua beleza. A sua natureza finita é o motivo pelo qual não conseguimos tirar os olhos de um momento tão mágico. Não queremos perder nenhum detalhe. 


Por que você acha que sempre estamos à procura da felicidade? Porque é um momento finito, é algo que sentimos e depois vai embora. Tudo depende de quantos momentos de felicidade você desfruta na vida. Parece mentira, mas na realidade damos um valor imenso ao que não podemos controlar e ter frequentemente. Quando algo se converte em permanente, simplesmente normalizamos a sua existencia e o descartamos. 


Por que você acha que nos queixamos por tudo? Porque a medida em que as coisas vão se cristalizando e dando a sensação de estático, tempo parado, nos entediamos e perdemos o interesse. Não estamos feitos para estar parados. A mente humana é inquieta por natureza. 


Uma prova inegável de que a mudança é algo natural, é a sua história pessoal.

  • Quem você era na infância?

  • E na adolescência?

  • E agora?

O que era importante para você em cada momento? Quais eram as suas referências?

O resultado da pessoa que você é hoje, é a soma das mudanças vividas em toda a sua história pessoal. 


Tenho certeza que você mudou muito sem se dar conta conscientemente desse tema. 


Agora a proposta é Abraçar, Aceitar e Desejar as mudanças para o bem da sua evolução pessoal. Tudo o que você não aceita, renega e deixa de lado, voltará como um bumerangue nas suas mãos. 


Está no nosso DNA o movimento. A mudança. As novidades. A vida.


É compreensível que de acordo com a velocidade, intensidade e quantidade de mudanças percebidas em um curto espaço de tempo, podemos nos assustar e paralisar e como resposta comum do EGO, evitamos as mudanças. Essa evitação normalmente produz uma paralisação motivada pelo medo de perder o controle das coisas ou da própria vida. 

Você não evita uma mudança porque é ruim ou porque você se considera incapaz de fazê-la. O que realmente acontece é que aparece a emoção do medo, pela novidade do momento e lhe faz crer que fazendo essa mudança você perderá o controle da situação. 


Dói mais ter medo em perder o falso controle das coisas, que fazer uma determinada mudança.


Mas aviso aos navegantes, não é possível controlar nada que está fora si. A única decisão assertiva que você pode fazer nessas situações é decidir desde que perspectiva/visão você quer viver essas mudanças. Existem 2 opções: desde a negação ou desde a aceitação. Não existe uma opção intermediária.  


Quando se apresenta uma mudança, o que acontece com você?


Se a sua resposta gira em torno da emoção do medo a perder o controle sobre as coisas, as emoções, o conhecimento, o status, a sua zona de conforto, a imagem que você projeta, o que dirão, etc; tenha em conta que este medo é uma projeção catastrófica de um possível futuro que o seu EGO te apresenta caso você faça essa mudança. 

Este é o trabalho de um EGO descontrolado e empoderado. A emoção em si, somente lhe traz um aviso: mudanças se aproximam e possivelmente podem te impactar. Nada mais. Esta é a função da emoção. 


Desde quando você já acertou no alvo as suas previsões, como todo o luxo de detalhes que o seu EGO te disse (sentimentos, pensamentos, o que fariam, o que você e outros sentiriam)?


Perder o seu tempo em adivinhar o futuro, sobretudo no seu aspecto mais negativo, é profetizar uma frustração ao 99% de certeza. Isso somente fortalece o grande “buraco negro” mental que foi criado pela humanidade nos últimos tempos: a ansiedade patológica. 


Até aqui, isso faz sentido para você? É o que você quer para a sua vida?


Ter claro esse “pequeno” detalhe de como o EGO usa a emoção do medo e o que nos leva a recusar as mudanças da vida, lhe facilitará entrar e desfrutar no novo panorama mundial que nos será apresentado em breve. 


Lembrem-se! Não lhe perguntarão se você quer ou não esse novo momento. Você somente entrará. 


Segundo como você esteja e como de concentrado você esteja consigo, fará que este processo de mudança seja natural e prazeroso. 


Quando você está empoderado de si, você sabe quem você é, o que você pode oferecer ao mundo, quais são os seus dons, qual é o propósito nuclear da sua vida, como você se reconhece, como você cuida do seu “jardim interno”, como de bem você conhece e administra as suas emoções, o que você gosta e te entusiasma, ou seja, você tem um autoconhecimento e um nível de felicidade interno moderado-alto. Para essas pessoas que estão nesse nível pessoal de consciência, esta nova situação se apresentará de 2 maneiras:


1-) Para as pessoas que notam grandes mudanças entre o antes e o depois, ou seja, que a rotina e o ritmo de vida tenham mudado muito e que a zona de conforto está afetada, verão no seu novo panorama em vez de caos sem saída, oportunidades e aprendizados. Serão capazes de flexibilizar as suas crenças até o ponto de se desprender delas e decidir o novo caminho que a vida lhes irá oferecer com total liberdade. Esse caminho se fará de maneira paulatina e natural porque a própria vida lhes guiará.


2-) Para as pessoas que notam poucas mudanças entre o antes e o depois, ou seja, somente detalhes pequenos na sua rotina e vida anterior, procurarão aprofundizar ainda mais na sua felicidade e equilíbrio emocional. Talvez não sentirão a necessidade de grandes mudanças, mas serão motivadas a um entendimento mais profundo de quem são e quais são os seus propósitos de vida. Se aproximarão do seu lado mais sensível, energético ou espiritual, segundo a crença de cada pessoa. 


Mas, se você acha que não se encontra no grupo de pessoas que descrevi acima e que até então, não teve a oportunidade, vontade, motivação ou não era a sua prioridade e momento pessoal para buscar esse autoconhecimento, saiba que já estamos dentro dessa nova era. Cada vez mais o seu equilíbrio pessoal passará por esta demanda interna e você não o poderá conter e se você o faz, isso lhe gerará uma crise pessoal que eu a chamo de “momento crack”. É a sensação de não saber para onde ir, a tal da “crise existencial”, ou mesmo “a crise dos 30,40,50,60...anos”, vai depender da idade que você tenha nesse momento crítico. 


Neste novo momento o que marcará a diferença é o que eu chamei de habilidades intangíveis. 


É quando o desconhecido ou pouco familiar de uma pessoa ganha peso, importância e prioridade nesse mundo VICA (en inglés VUCA): volátil, incerto, complexo e ambiguo. 


Então, o que são as habilidades intangíveis?


São todas aquelas que você descobre em um processo pessoal durante a vida e que somente através de uma introspecção minuciosa e amorosa consigo, você poderá conhecê-las profundamente. 

Não é necessário que você passe por uma vida completa para que conheça as suas habilidades intangíveis. Se você aceita essa idéia que lhe apresento neste artículo, HOJE é um bom momento para que você dedique esse presente a si. 


Essas habilidades fazem parte do seu DOM e o seu lema de vida. As mesmas respondem às seguintes perguntas: 

  • Para que você veio a este mundo? 

  • Qual é o propósito nuclear da sua vida? 

  • Quais são as atividades que fazem brilhar os seus olhos/ lhe entusiasma? 

  • O que você poderia falar sem se cansar com outra pessoa?


Um aspecto comum entre todas as pessoas consideradas publicamente bem sucedidas, é que encontraram a sua razão de ser e colocaram esse DOM e lema de vida a serviço das demais pessoas. 

Eu lhe recomendo um vídeo que está na internet que fala sobre esse tema de forma clara. É uma entrevista feita por Antonio G. de “Inteligencia Viajera” com Emilio Carillo. Está em espanhol, porém acredito que é possível colocar a legenda no seu idioma materno.


Se dê uma oportunidade de investigar tudo isso. 

Agora mais do que nunca será uma ferramenta fundamental para o seu equilíbrio emocional e pessoal. 


Esta crise nos materializou grandes mudanças e ruptura de paradigmas em pouco tempo, como por exemplo: 


1-) O impossível pode acontecer. O grande susto que nos causou essa mudança repentina na vida, mas que o fato em si do vírus e o seu perigo, foi que para a nossa mente era inconcebível o impossível, ir tão rápido de um pólo a outro, tudo o que era normal se transformou em excepcional, o bom agora era ruim e perigoso, o que era pouco valorizado agora era essencial. Enfim, uma grande mudança de paradigma em tão pouco tempo. 


2-) Uma metáfora sobre o momento atual: Todos estamos no mesmo mar porém em diferentes barcos. As ondas vão impactar igualmente a todos, independentemente de onde você esteja. Tudo dependerá de como está o seu barco (como você está internamente). 

SIM, importa e muito o que acontece em outros lugares do planeta. 


3-) É um fato evidente e ninguém poderá negá-lo: A importância vital do “presencialismo” em muitos tipos de trabalho se desmoronou. Claro que existem trabalhos que é necessário a presença física do colaborador, porém aqui me refiro a essa grande parte de empresas que viram os seus negócios fluírem sem a presença física das pessoas em um mesmo local e que deslocam diariamente pessoas, através de transporte público ou particular, provocando saturamento e aglomeração, estresse nocivo a saúde e sem contar com a poluição em todas as áreas que isso provoca nas grandes cidades, onde se concentram essas mesmas empresas. Estas mesmo puderam experimentar de uma maneira brusca e sem preparação que SIM, é possível o trabalho remoto. 

Seria tão difícil imaginar trabalhos onde as pessoas possam verdadeiramente trabalhar por objetivo cumpridos e não por tempo presente em um escritório? Onde as pessoas possam administrar como queiram o seu tempo e esforço para entregar os seus compromissos. Trabalho remoto não é um substituto do “presencialismo” em casa. Se fosse assim, em vez de avançar nesse quesito, criaríamos um novo estilo de trabalho: o “big brother” empresarial. 

Seria loucura imaginar que o colaborador pudesse escolher desde onde ele quer trabalhar? Onde ele rende melhor? Ademais, de maneira pontual as pessoas poderiam se reunir para socializar em equipe e com a demais pessoas da empresa. 


A partir de agora tomar uma decisão de continuidade e melhora dos estilos de trabalho é um tema de atitude empresarial e consciência social corporativa, dado que SIM é possível. Todos ganhamos. Teremos pessoas mais felizes podendo conciliar adequadamente a vida familiar e profissional. Sem obrigações desnecessárias da era antiga e mais facilidades e opções para uma vida laboral melhor. 


4-) A maioria das nossas referências de controle e bem-estar possivelmente foram desmascaradas:

  • Quem acreditava que vivia no “primeiro mundo”, como mínimo duvidou na definição desse “mundo” e do famoso estado de bem-estar;

  • Quem acreditava que tinha um emprego estável, talvez ficou sem ele num piscar de olhos e sem aviso prévio.

  • Quem achava que o seu negócio iria prosperar e crescer, possivelmente teve que mudar a rota e se colocar em modo: “sobrevivência”;

  • Quem suspeitava que estava perdendo o crescimento dos seus filhos e chegava nessas conclusões geralmente finalizando um período de férias, talvez concluiu que era verdade e está pensando em reorganizar as suas prioridades e tempo da sua vida


Enfim, tudo o que talvez estava perdido, ganhou vida ou realmente morreu.

Foram gerados fatos importante para que qualquer pessoa perceba que a falsa referência externa de bem-estar e felicidade, já não existem. Somente podemos nos agarrar em nós mesmos. E isso sim é permanente. As demais coisas externas pertencem ao mundo VICA. Não vale a pena depositar o seu bem-estar e felicidade fora de si, isso gera muito estresse e ansiedade, porque não depende de você.


5-) A solidariedade está em cada pessoa e o prazer é muito maior quando se oferece ao outro. A gratidão é compartilhada e valorizada em uma sociedade tão carente de amor e respeito para com as diferenças.


6-) As energias são poderosas e perceptíveis a qualquer pessoa. Pode nos levar e nos condicionar. Muitas vezes entramos em “batalhas” que não são nossas, ou mesmo quando definimos conscientemente quais são as nossas “batalhas”, damos de frente com o nosso “calcanhar de aquiles”, que é a antecipação mental intensa dos fatos. Isso nos faz sofrer e perder energias antes mesmo do “combate” e quando chega o momento de atuar, estamos sobre estimulados e em vez de ser assertivos somos “sequestrados emocionalmente” por nós mesmos. Nos desempoderamos. 


7-) Somos interdependêntes. As relações sociais são importantes para a nossa vida. Nunca foi tão valorizado um abraço e um beijo de alguém querido. 


8-) Temos uma grande dificuldade de ser ativos na nossa própria vida. Fomos tão bem “adestrados” durante muitos anos que a maioria das vezes esperamos as instruções e esquecemos do nosso bom senso. Quando recuperamos em certa medida a própria gestão do tempo, nos perdemos no vazio. Ganhamos a liberdade de administrar o tempo das nossas vidas e foi complexo saber o que fazer com esse tempo disponível. Um curso, um esporte, um artesanato, cozinhar, meditar, enfim, muitas ofertas no mercado. Constatamos que está fraca a nossa capacidade de nos auto entreter e filtrar o que nos ofertam de acordo com o que gostamos e queremos. 


Esta situação também nos ensinou que estamos perdendo o contato com o simples e complicando a nossa vida porque assim nos disseram que era mais valioso ou mais importante. 

O simples é suficiente. Não se deixe enganar!


Acorde e se conheça!


Quem é você nesse novo momento?


Viva o novo tempo do desconhecimento pessoal!


Se você gostou dessa reflexão, compartilhe com os seus amigos em qualquer rede social e também me envie o seu feedback (clique aqui), vou adorar saber como você se sentiu.


E se você sente que é um bom momento para você investigar um pouco mais sobre esse tema ou outros, entre em contato comigo (clique aqui) para saber mais detalhes de como posso te ajudar.

75 vistas0 comentarios

Entradas Recientes

Ver todo